Trocar o veículo atual por um mais novo é sempre bastante prazeroso. Mas,  normalmente, antes disso, vem a venda do usado, cujo valor recebido muitas vezes serve para dar entrada no pagamento no novo modelo. Essa parte, por outro lado, pode não ser tão prazerosa assim.

O futuro comprador sempre arruma um “defeitinho” para dizer que o seu carro não vale o preço que você pediu. Além disso, caso o negócio não seja bem amarrado e não sejam tomados alguns cuidados, você pode ficar sem o veículo e sem o dinheiro. Até porque há muita gente mal intencionada por aí. Por isso, separamos algumas dicas para você vender seu carro com segurança e fugir de golpes.

Vender para uma loja

Essa dica é a mais clássica. Ela não garante que o comprador não fará nada de errado. Mas, quando se negocia com uma empresa já estabelecida, com CNPJ e endereço fixo, por exemplo, as chances de cair em um golpe diminuem. É o caso daquelas pessoas que, no caso da troca por um zero quilômetro, vendem o carro antigo para a concessionária na qual ele comprou o novo.

Ainda assim, muita gente evita esse tipo de transação por um motivo bem simples: o preço. A loja de usados e mesmo a concessionária, quando compram um veículo, querem revendê-lo rapidamente, para não gerar custos, e têm como referência o preço da tabela. Logo, como elas visam o lucro, vão oferecer a você um valor bem menor que o que você gostaria, para depois revenderem e ganharem dinheiro em cima.

Cuidado ao se encontrar com o possível comprador

Se você decidiu que o valor oferecido pela loja de usados ou pela concessionária é baixo, a outra opção é vender para outra pessoa. Para isso, muita gente recorre a anúncios em jornais ou na internet. Nesse caso, você receberá ligações de pessoas que você não conhece. Por isso, cuidados ao agendar um encontro para mostrar o veículo aos supostos interessados.

É fundamental que esse encontro aconteça, por exemplo, em locais públicos e de grande circulação. Para se encontrar e até permitir que a pessoa dê uma volta com o carro, é bem mais seguro estar em espaços como o estacionamento de um shopping ou de um grande supermercado do que em casa ou em uma rua isolada.  

Faça uma revisão veicular

Inspeção, perícia, vistoria técnica são procedimentos disponíveis, oferecidos em oficinas credenciadas pelo Detran, que podem te ajudar a provar que o carro está em ordem. Ter em mãos um laudo que confirme que você vendeu um veículo em bom estado de conservação é fundamental. 

Principalmente, porque não é raro o comprador procurar o vendedor, dias ou semanas depois de fechar o negócio, para reclamar que o carro apresentou um ou outro problema. Com um documento desse tipo em mãos, você evita ter que pagar por um descuido do novo proprietário ou mesmo por uma quebra normal, à qual todos os veículos estão sujeitos.

Dinheiro na mão

Até pelo preço de um carro, não dá para entregar o veículo a um comprador que disse “amanhã te deposito o dinheiro”. A entrega é o último passo da transação e só deve acontecer quando o dinheiro está na conta. Acontece, inclusive, de comprador e vendedor se encontrarem no banco. Um faz a transferência, o outro confere se a grana entrou e, aí sim, entrega a chave para que o novo dono já saia da agência com o carro.

No caso de o comprador fazer o pagamento via financiamento ou consórcio, o comprador também deve esperar. E nem é preciso dizer que receber parcelado e com cheque é algo que não deve sequer ser cogitado.

Vistoria de transferência

Depois de fechar o negócio, o próximo passo é fazer a vistoria de transferência, em uma oficina credenciada pelo Detran. Ela vai fornecer o laudo para que o órgão tenha as informações sobre o chassi e o número de motor do veículo.

Com isso, dá pra garantir a autenticidade do veículo, confirmar a propriedade e conferir os equipamentos de segurança e possíveis alterações na estrutura. Além de ser um procedimento obrigatório, a vistoria de transferência também fornece segurança ao comprador e ao vendedor, ao confirmar a procedência do veículo.

Documentação

Com todo o resto já acertado, o vendedor deve fazer comunicação de venda do veículo. É preciso preencher o Certificado de Registro Veicular com os dados do comprador, assinar e reconhecer firma em cartório. Depois, o novo proprietário terá até 30 dias para completar os procedimentos para a transferência.

Isso é importante para que o antigo dono fique livre de qualquer responsabilidade por infrações cometidas ou acidentes causados pelo novo proprietário. E, é claro, vale tirar cópia de todos os documentos e conferir, depois, se a transferência foi, de fato, finalizada. Em vários estados, boa parte dos procedimentos está disponível pela internet. 

Menu